sexta-feira, 11 de abril de 2014

O valor de uma oração (10/04/2014)

Esse é um dos túmulos mais lindos e interessantes do Cemitério da Saudades em Campinas. O conheço desde de menino. Eu morava no bairro Santa Odila, que fica próximo ao cemitério e no feriado de Finados eu me oferecia para lavar e encerar as sepulturas para ganhar uma grana e ajudar no orçamento doméstico. E foi desse jeito que conheci esse túmulo. Eu ficava por um bom tempo observando a figura daquele um pai ou avô que entregava um relógio ao menino. Acontece que para variar um pouco esse relógio foi roubado não sei quantas vezes. Este ano (2014), no início do mês de abril  voltei no cemitério para acompanhar os funcionários da prefeitura que estavam fazendo limpeza do local. Fui olhar essa sepultura e vi que no lugar do relógio hoje existe um terço. Parafraseando o "cumpadre" Washington que está fazendo o maior sucesso em um comercial na televisão com o comentário: não sabe de nada inocente!, se esse ladrão soubesse o valor de uma oração ele roubaria esse terço o mais rápido possível. Que país é esse meu Deus? Só está faltando roubarem o oxigênio do planeta. Vou terminar esse texto, pois estou sentindo falta de ar. 

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Interessante seu post!
    Este túmulo foi construído pelo meu bisavô Pedro Uccelli, que reproduziu um que viu na Itália, quando ainda era vivo.
    A escultura foi feita por Lelio Coluccini e é meu bisavô deitado dando o relógio, que está fundindo na mão de seu neto Pedro.
    O que roubaram foi a corrente que unia as duas mãos, além da porta que também era de bronze que ficava na frente do túmulo.
    Vários túmulos, que tem adereços em bronze, tem sido roubado impunemente.
    Nem mesmo a cruz, que meu sogro fez para seu tumulo em um outro material, foi poupada infelizmente...

    ResponderExcluir